Já comprou seu livro hoje? Clic aqui!

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Blogagem Coletiva: "O amor Salva"

           A Aleska do blogDiários de bordo , convidou-me para participar desta blogagem coletiva e claro aceitei!Quem quiser participar, é só levar este selo e seguir a proposta:

O objetivo é falarmos de vários tipos de amor: o amor próprio, o amor apaixonado, amor em família e o amor na sociedade.Vale até o seu amor por Deus ou por sua religião. Com isso, pretendo contrabalançar a cultura da violência. 

As modalidades de posts são: poemas, prosas, resenhas de livros ou filmes/séries, fatos reais(podem ser experiencias suas ou de outras pessoas) e contos. 
Clic no nome do blog da Aleska para saber mais! Participe!!! O prazo é até o dia 12 de fevereiro!

Minha participação:

Texto de Voltaire, filósofo francês.

"Prece pela tolerância", escrita há quase 250 anos, mas que
 permanece absolutamente atual.


Não é mais aos homens que me dirijo. É à você, Deus de todos os seres,
de todos os mundos e de todos os tempos: Que os erros agarrados à nossa
natureza não sejam motivo de nossas calamidades.

Você não nos deu coração para nos odiarmos nem mãos para nos enforcarmos.
Faça com que nos ajudemos mutuamente a suportar o fardo de
uma vida penosa e passageira.

Que as pequenas diferenças entre as vestimentas que cobrem nossos corpos,
entre nossos costumes ridículos, entre nossas leis imperfeitas e
nossas opiniões insensatas não sejam sinais de ódio e perseguição.

Que aqueles que acedem velas em pleno dia para te celebrar,
 suportem os que se contentam com a luz do sol.

Que os que cobrem suas roupas com um manto branco
 para dizer que é preciso te amar, não detestem os que dizem
a mesma coisa sob um manto negro.

Que aqueles que dominam uma pequena parte desse mundo,
e que possuem algum dinheiro, desfrutem sem orgulho do que
chamam poder e riqueza e que os outros não os vejam com inveja,
mesmo porque você sabe que não há nessas vaidades nem o que invejar
nem do que se orgulhar.

Que eles tenham horror à tirania exercida sobre as almas,
como também execrem os que exploram a força do trabalho.

Se os flagelos da guerra são inevitáveis, não nos violentemos em nome da paz.

Que possam todos os homens se lembrar que eles são irmãos!
 
Voltaire


Fonte:thereincarnation.org 
**Escolhi este texto porque a tolerância é irmã do amor, como a caridade e a compaixão.
Onde há qualquer uma delas, há amor.E acredito mesmo que  O AMOR SALVA.
*Bom final de semana para todos!!!!Beijos! Até segunda!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Na ilha por vezes habitada...

 
Na ilha por vezes habitada do que somos, há noites, manhãs e madrugadas em que não precisamos de morrer.
Então sabemos tudo do que foi e será.
O mundo aparece explicado definitivamente e entra em nós uma grande serenidade, e dizem-se as palavras que a significam.
Levantamos um punhado de terra e apertamo-la nas mãos. Com doçura.
Aí se contém toda a verdade suportável: o contorno, vontade e os limites.
Podemos então dizer que somos livres, com a paz e o sorriso de quem se reconhece e viajou à roda do mundo infatigável, porque mordeu a alma até aos
ossos dela.
Libertemos devagar a terra onde acontecem milagres como a água, a pedra e a raiz.
Cada um de nós é por enquanto a vida.
Isso nos baste.

José Saramago

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Suavidade


O Mosteiro na margem do Rio Piedra está cercado por uma linda vegetação, verdadeiro oásis nos campos estéreis daquela parte da Espanha.

Ali, o pequeno rio transforma-se numa caudalosa corrente, e se divide em dezenas de cachoeiras.

Quem caminha por aquele lugar escuta a música das águas e encontra, de repente, uma gruta, debaixo de uma das quedas d´água.

Observando cuidadosamente as pedras gastas pelo tempo, as formas que a natureza cria com paciência, vê-se escrito numa placa, os seguintes versos de Rabindranath Tagore:
 

"Não foi o martelo que deixou perfeitas estas pedras, mas a água, com sua doçura, sua dança, e sua canção.

Onde a dureza só faz destruir, a suavidade consegue esculpir."


Somente com suavidade, paciência e calma, conseguimos esculpir o nosso íntimo, realizando a reforma de nossas almas com o objetivo de encontrar felicidade.

Somente com suavidade, paciência e calma, conseguimos esculpir o nosso mundo, realizando sua modificação para melhor.

O martelo que destrói está nas críticas cruéis, nas palavras grosseiras que saem de nossas bocas e ferem a auto-estima das pessoas à nossa volta.

Enquanto a doçura da água está nos conselhos edificantes, na atenção e paciência com que ouvimos a alguém, nas palavras de estímulo, no elogio animador.
 


 Trecho da mensagem:http://www.reflexao.com.br/mensagem_ler.php?idmensagem=1279

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Ausência

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada,
aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim!

Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Confie em você

É muito fácil perder a confiança em si mesmo,
nos outros, nas instituições...

O seu presente anda meio nebuloso?
Parece não projetar um bom futuro
e a tendência natural
é você se deixar dominar pelo medo da incerteza?
Não permita que isso aconteça!!!
Não se esconda...

Confie em você, em seus sentimentos,
em sua capacidade.
Encare as adversidades de frente,
com a certeza de que você
pode passar por elas e sair vitorioso!
Você só precisa perceber que,
se estiver na estrada errada,
deve parar e procurar a certa.

Você nunca vai chegar a seu verdadeiro destino
se continuar a seguir o caminho errado...
Portanto...
Se você pegou a estrada errada, mude!
Corra atrás de sua felicidade.
Siga o caminho de seu coração.


Roberto Shinyashiki

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...